Projeto de moradia popular no Brás atrai empresariado

A Secretaria Estadual da Habitação tem 32 empresas ou consórcios interessados em participar da PPP (parceria público-privada) para a construção de 10 mil moradias na região central da cidade. O programa lançado em abril pelo governo do estado encerrou na segunda-feira o prazo para que o empresariado manifestasse intenção de fazer parte do projeto e agora a secretaria vai reunir o grupo de possíveis parceiros para detalhar o projeto de habitação.

“Ficamos surpresos com o número grande de empresas que manifestaram interesse pela PPP. Isso é positivo e mostra que a proposta é boa”, disse Reinaldo Iapequino, subsecretário da Agência Casa Paulista, órgão da Secretaria da Habitação. PPP é o sistema pelo qual governo e iniciativa privada dividem a execução de uma obra ou prestação de serviço mediante a apresentação de contrapartidas de ambos os lados.

A PPP elaborada pela secretaria quer dar mais rapidez à criação de moradias no Centro expandido. A pasta identificou imóveis na região que podem ser reformados ou adaptados para moradia de interesse social, priorizando o atendimento à população de baixa renda. Os 10 mil imóveis estão situados nos distritos da Sé e da República e nos bairros do Brás, Bela Vista, Belém, Bom Retiro, Cambuci, Liberdade, Mooca, Pari e Santa Cecília.





Potencial
“A região tem um potencial para abrigar 40 mil novas moradias. Essa PPP prevê 10 mil unidades, mas podemos receber propostas que ampliem esse número”, afirmou Iapequino.

No dia 15, a secretaria vai reunir representantes das 32 empresas interessadas para apresentar o levantamento dos imóveis que vão fazer parte do programa. Os empresários terão 90 dias para apresentar seus projetos de construção das moradias. “Vamos dar preferência às propostas que, além das moradias, contemplem melhorias em seu entorno, revitalizem a região”, disse o subsecretário.

Programa identifica prédios  abandonados
Os imóveis identificados pelo governo são principalmente prédios deteriorados ou abandonados, além de galpões, estacionamentos e terrenos subutilizados.

O programa tem o objetivo de conseguir moradia numa região com boa infraestrutura de transporte e serviços, mas que tem perdido moradores ao longo dos anos.

90% das moradias serão para quem ganha até 5 salários mínimos.

Silvio Torres é mantido na pasta da Habitação
O secretário estadual da Habitação, Silvio Torres, vai ser mantido no cargo. O deputado Paulo Maluf pediu ao governador Geraldo Alckmin o controle da pasta para seu partido, o PP, em troca do apoio à candidatura a prefeito de José Serra (PSDB). O pedido foi negado.





Deixe seu comentário