Prefeitura apreende milhares produtos piratas no Brás

O Gabinete de Segurança apreendeu nesta sexta-feira (3/8), 20.800 produtos ilegais, predominando roupas falsificadas e bolsas em lojas do Shopping 25 Brás localizado na Rua Barão de Ladário, 402, que reincidiram no comércio de produto ilegal.

Cinco lojas/Box foram interditadas pela Subprefeitura Mooca e as demais também poderão ser interditadas após as notificações e autuações. Os responsáveis pelas lojas foram qualificados e poderão responder por violação de direitos autorais, pirataria, crimes contra o consumidor, administrativos, sonegação fiscal, entre outros, agravados pelas sucessivas reincidências na prática desses ilícitos. Os responsáveis pelo Shopping também poderão ser enquadrados em vários ilícitos, sobretudo face às reincidências no comércio de pirataria e outros crimes.

O Shopping 25 Brás vem sendo monitorado pelas equipes de inteligência desde uma grande operação que aconteceu de abril a junho deste ano. Na ocasião, os agentes apreenderam cerca de um milhão de produtos, e os inquéritos da polícia e do Ministério Público estão em andamento.

12 mil produtos piratas ou ilegais apreendidos no Shopping 25 de Março

Agentes do Gabinete de Gestão Integrada de Segurança fiscalizaram nesta quinta-feira (2/8), lojas do Shopping 25 de Março localizado na Rua 25 de Março nº 1.081, esquina com Rua Carlos de Souza Nazaré, que reincidiram no comércio de produto ilegal. Durante a ação, 11.907 produtos ilegais foram apreendidos predominando relógios, tênis, bolsas e vestuários.





Uma loja/Box foi interditada pela Subprefeitura Sé e as demais também poderão ser após as notificações e autuações. Os responsáveis pelas lojas foram qualificados e poderão responder por violação de direitos autorais, pirataria, crimes contra o consumidor, administrativos, entre outros.

Durante a operação, um policial civil que estava no local tentou impedir a operação de apreensão dos produtos piratas e foi conduzido à Corregedoria da Polícia Civil, onde os fatos estão sendo apurados. Os responsáveis pelo Shopping poderão ser enquadrados em vários ilícitos, sobretudo face às reincidências no comércio de pirataria e outros crimes.

A Guarda Civil Metropolitana (GCM), por meio da Inspetoria de Operações Especiais, atuou sob orientação do Gabinete de Segurança realizando as ações de inteligência, preservação dos locais, apreensões e transporte das mercadorias, escolta dos caminhões, sempre articulada com demais organismos do Gabinete, em função das respectivas competências, como Polícia Civil, Policia Federal, Subprefeituras Sé, entidades do Conselho Nacional de Combate à Pirataria do Ministério da Justiça, entre outros.

Fonte: Prefeitura de S. Paulo





Deixe seu comentário