Camelôs do Brás criam “versão pirata” da Feirinha da Madrugada

Na rua Monsenhor de Andrade, no bairro do Brás, centro Sp, um homem usa toda a força do gogó para gritar ao microfone: “Venha conferir. Aqui vocês encontram preço barato com os camelôs que estavam na rua”. A afirmação é feita pelo anunciante na madrugada do último dia 8. Todo poder de persuasão é bem-vindo, pois, do outro lado da via, um jovem faz exatamente o mesmo. Ele chama o público para conferir as mercadorias amontoadas em mesas dobráveis, vendidas por ambulantes que antes ocupavam as calçadas ao redor da Feirinha da Madrugada.

Após as sucessivas operações da prefeitura para combater à pirataria, camelôs sem autorização para vender mercadorias se instalaram em terrenos que funcionam também como estacionamentos ao redor da feira, formando uma espécie de “versão pirata” da Feirinha da Madrugada.

Ali, os visitantes ficam diante do cenário mais conhecido do comércio popular. Marcas famosas são copiadas em camisetas, relógios, tênis, bonés, bolsas e eletrônicos. Os preços dos produtos chamam a atenção e visitantes saem dali com sacolas lotadas.





Em um dos estacionamentos, a reportagem do R7 encontrou a camisa do “Timão” por R$ 15. O vendedor é são-paulino e, com uma “choradinha”, o uniforme sai por R$ 10 (em uma loja tradicional de shopping, o torcedor do Corinthians pagaria R$ 199 pela blusa). No terreno que fica logo em frente, o vendedor com o microfone diz, em tom de ameaça, que são proibidas fotos no local. Ali, o R7 encontrou bonés da Nike por R$ 5 e relógios Mont Blanc por R$ 15.

A poucos metros deste estacionamento, no Shopping Family Madrugada, era possível comprar um Iphone 5 com mais aplicativos (televisão, por exemplo) que o original ainda não lançado no Brasil.

Durante o tempo que o repórter permaneceu na área, policiais militares percorreram a pé e a cavalo o perímetro da versão genérica da feira, mas não fizeram nenhuma abordagem.

Fonte: R7





Deixe seu comentário